Há tempos que a televisão não me atrai mais. Aquela simples ação de chegar em casa no final do dia e apertar o controle remoto deixou de fazer parte da minha rotina diária.

Quando percebi que a cada dia eu diminuía o tempo despendido em frete a TV, também notei que as formas que escolho para o meu entretenimento se tornaram  mais seletivas.

Esta mudança de hábitos aconteceu na minha vida porque aos poucos verifiquei que determinadas notícias me faziam muito mal e refletiam na minha conduta, pois me transformava pouco a pouco, numa pessoa desacreditada na sociedade de um modo geral.

Foi quando eu identifiquei que uma certa dose de alienação ao mundo criaria um distanciamento necessário e saudável entre a minha pessoa e o que considero negativo.

Nunca aceitei a ideia de ser “obrigada” a ver notícias extremamente tristes sobre a realidade do planeta, todas as vezes que eu assistia o telejornal.

Mas a minha intenção não é ser alheia ao mundo, pois creio que ao desconhecermos a nossa própria realidade, não construiremos um futuro sólido em nenhum segmento.

No entanto, o que eu tanto almejava quando optei por ligar menos a televisão, era me despoluir da desgraça que infelizmente vende mais que qualquer exemplo positivo que possamos conhecer. Não entendo essa tendência do ser humano em propagar notícia ruim. Credo !!!!

Tudo é uma questão de escolha, tanto o que assistimos na tv, quanto o que lemos nos impressos ou nas redes sociais reflem diretamente na nossa opinião. Porém vai de cada um optar pelo que é bom, positivo e real. Porque tem muita distorção de imagens na internet, assim como tem muita deturpação de notícia.

O bom senso requer que não acreditemos em tudo o que está circulando por aí. Hoje em dia, mais do que nunca devemos pensar duas vezes antes de repetirmos qualquer informação. Portanto, sempre cheque as suas fontes.

E, finalizo aqui com um pedido especial aos que adoram colocar fotos de animais que sofrem maus tratos, crianças com deformidades e outras situações chocantes e desumanas na internet:

– Por gentileza, reflitam que se as pessoas se preocupassem em disseminar histórias de pessoas perseverantes e lutadoras que venceram na vida apesar de tantas adversidades e que nunca perderam a fé, com certeza o foco mudaria. O que é triste ainda vai existir, pois faz parte da vida aqui na terra, mas aos poucos o que é bom pode ajudar a diminuir a tristeza e a descrença de uma vida melhor.

A internet também deixou de ser um instrumento que nos possibilitava trafegar diretamente ao que nos interessava e sem interferência alguma, pois com o advento do facebook e do instagram, apesar de selecionarmos os amigos e quem desejamos seguir, ainda vemos muita coisa que não gostaríamos.

Então só nos resta filtrar, deletar, desligar a tv, ler um livro e recomeçar.