Há quem diga que o papel de um pai na criação dos filhos seja secundária, substituível ou até mesmo passível de supressão.

Não julgo este entendimento, pois a cada dia se torna mais e mais evidente que existem pais que não deveriam jamais receber esse privilégio, pois denotam a capacidade de diversas monstruosidades.

Só posso contribuir com o meu sentimento de filha, que ainda não sabe o que é ser na essência uma mãe. Mas que conhece bem o valor de um bom pai.

Desde pequena tive um pai que era mais velho que os pais das outras amiguinhas e que por vezes não podia ir nos compromissos e reuniões da escola. Um pai que poderia ser meu avô, sentimento que também desconheço.

Porém, nada disso pra mim foi empecilho que pudesse causar qualquer afastamento entre nós. Ao contrário, essas condições moldaram a minha personalidade e me fizeram ser mais forte. Só posso falar sobre o que eu conheço e o que eu sinto.

Conheci um pai de figura enérgica, porém admirável, um pai resoluto e firme.

Conheci um pai sensível e de bom coração, que muitas vezes era criticado por parecer que não demostrava as suas verdadeiras emoções. Mas eu sou igual e sei que isso é pura proteção.

Creio que se as pessoas tivessem uma maior sensibilidade na percepção da conduta alheia, elas acabariam descobrindo uma imensidão de sentimentos puros, que por vezes ficam escondidos, ficam latentes.

Contudo, creio que  um verdadeiro pai é aquele que educa e transmite valores nobres aos seus filhos. E  é esse o maior e mais valioso legado que pode ser deixado a alguém.

Os bens materiais caso não sejam bem administrados podem se esvair diante dos nossos olhos. Já um legado de honra e honestidade quando bem transmitido é inalienável, incomunicável,  e impenhorável.

Há exatamente 3 anos atrás o meu querido pai nos deixou e essa pequena homenagem que faço é o retrato do quão vivo ele permanece.

A mim, só cabe dizer que de tudo o que me foi transmitido o mais importante é que um verdadeiro pai não faz distinção entre os filhos, se preocupa e torce pelo sucesso de todos.

Portanto, para ser pai não interessa a idade e sim a capacidade de amar e educar.

Saudades eternas da filha que te sente presente,

Magnólia.