Ser mulher é um desafio diário e constante, não somente pelo machismo que ainda existe neste planeta, mas porque nos reinventamos sempre que achamos necessário. E isso, nem sempre é fácil, porque entre o cair e o levantar existe um caminho duro e complexo para a mente feminina enfrentar.

A gente não simplifica tanto as coisas e isso acaba dificultando a nossa vida. Mas faz parte do nosso DNA, não tem como evitar.

Nos desafiamos cada vez mais para provar para o mundo e principalmente para nós mesmas que a gente consegue chegar lá. Sendo que na maioria das vezes, é um desperdício de tempo, porque no fundo, lá no fundinho a gente sabe que consegue. Então, gastar energia nesse processo, é pura bobagem.

Ser mulher é ter diferentes faces de uma mesma pessoa, que desempenha vários papéis, que supera adversidades emocionais, hormonais e biológicas (mensais). Inflamos e murchamos todos os meses, sentimos dores e seguimos em frente mesmo assim.

A mulher nunca pára e se pára, adoece da alma. Somos guerreiras e únicas com nossas diferenças e esta diversidade é sadia porque nos distingue.

Por isso mesmo, acredito que já está na hora de dar um basta nos padrões desse mundo virtual insano. Esse mundo que desagrega e transforma mulheres lindas em pessoas infelizes.

Assim, vamos adoecendo e a autoestima feminina vai se reduzindo ao pó.

Não se afetem tanto com o que vocês veem nas mídias sociais, porque nem tudo é real e nem todas as pessoas que formam opinião são saudáveis da cuca.

Não seja a próxima a adoecer, apenas seja você e aprecie o que você enxerga no espelho, mas principalmente, veja além dele.